Domingo, 9 de Dezembro de 2007

Projecto Criarte / Memória dos Espaços - Síntese Histórica de Caneças

Por desanexação da freguesia de Santa Maria de Loures, através da Lei 413, de 10 de Setembro de 1915, foi criada a freguesia de Caneças.
Em 16 de Agosto de 1991, pela Lei 77, foi elevada à categoria de Vila.
Tem uma superfície de 5,9 quilómetros quadrados e cerca de 15.000 habitantes.
Em 19 de Novembro de 1998, por divisão administrativa, passa a pertencer ao novo Concelho de Odivelas.
Situada a norte do município de Odivelas, a freguesia de Caneças é delimitada pelas freguesias de Loures, Ramada, Famões, Casal de Cambra e Almargem do Bispo.
Segundo alguns autores, a povoação de Caneças foi fundada pelos árabes.
O topónimo deriva da palavra Caniça que significa templo dos cristãos.
A lenda popular, no entanto, é outra. Diz o povo que na passagem de D. Dinis, pela povoação, alguém lhe ofereceu água numa caneca, e daí a perpetuação do nome.
O povoamento da freguesia está registado através de diversas provas documentais dos mais longínquos povos.
Os Dolmens de Pedras Grandes e Batalhas, monumentos funerários de grandes dimensões, atestam à fixação do homem nestas terras desde o período megalítico.
Integram a história da freguesia, de forma importante, as inúmeras fontes que povoam o seu território. A qualidade e abundância das suas águas, levou à sua comercialização em bilhas de barro, muito famosas e procuradas até finais dos anos 60, em Lisboa.
As lavadeiras dos seus rios que lavavam a roupa que as freguesas davam ao "rol" deram origem à película cinematográfica, hoje imortalizada pelo cinema – Aldeia da Roupa Branca – rodada grande parte em Caneças.
É ainda de realçar as famosas quintas de Caneças.
De salientar que desde finais do século XVIII, Caneças foi procurada pelas suas águas, ares e frescura dos seus campos, como local de repouso e veraneio, determinando a criação de pólos de cultura e divertimento que ainda hoje perduram.
Tem início em Caneças a notável obra do Aqueduto das Águas Livres.

Em 1994 a Junta de Freguesia abriu concurso para a criação do Brasão e Bandeira, símbolo heráldico que veio a ser aprovado pelo Executivo em Julho e pela Associação de Arqueólogos Portugueses, em 31 de Outubro desse ano.

publicado por tecnicodesign10m às 16:38
link do post | comentar | favorito

Projecto Criarte / Memória dos Espaços - Jardins da Água

 

REQUALIFICAÇÃO DO ESPAÇO PÚBLICO DE CANEÇAS – JARDINS DA ÁGUA

O projecto de requalificação do espaço público de Caneças tem como objectivos a requalificação do espaço público de centralidade da vila de Caneças, a melhoria da mobilidade pedonal e viária, a regulação do estacionamento, a redefinição de áreas funcionais e a requalificação da imagem urbana.


Este projecto constitui-se como estruturante no território e uma oportunidade para valorizar, qualificar e potenciar a oferta turística, através da sua inserção em roteiros associados a temáticas histórico-culturais (vestígios muçulmanos, património classificado), ambientais, de lazer, gastronómicas, entre outras, contribuindo igualmente para a valorização e divulgação do património cultural, móvel e imóvel inserido naqueles roteiros.


O projecto de requalificação pretende atingir aqueles objectivos e "homenagear" o património cultural da freguesia - as fontes e a água - através da sua reinterpretação e materialização na proposta apresentada.


Projecto com características estratégicas ao nível da recuperação do património, da valorização do ambiente urbano e da dinamização da oferta cultural e turística.

 

http://www.cm-odivelas.pt/CamaraMunicipal/ServicosEquipamentos/PlaneamentoEstrategico/jardins_agua.htm

  
As propostas constantes deste estudo têm como objectivos a requalificação do espaço público e o seu direccionamento para o turismo e para o desenvolvimento de actividades com ele relacionadas, sempre em associação com a presença do elemento água, e a resolução dos conflitos identificados na fase de análise.
As linhas orientadoras para a sua elaboração foram as seguintes:
           Manter e requalificar os elementos que fazem parte da memória cultural colectiva da população saloia e que assumem um papel qualificador do espaço público, nomeadamente a água e os equipamentos a ela associados;
           Manter e reforçar as vivências actuais de estadia e de percurso e atravessamento do espaço, eliminando todas as situações que inviabilizem a fruição do espaço público pelo peão;
           Manter as funcionalidades preexistentes - fonte, parque infantil, casa da cultura, coreto, jardim, quiosque – ainda que eventualmente reinterpretadas e/ou requalificadas;
           Manutenção, sempre que possível e de acordo com o seu estado fito-sanitário, dos elementos arbóreos preexistentes;
           Devolução do espaço ao peão;
           Reorganizar a circulação viária e o estacionamento.
           Estas orientações foram implementadas através de:
           Relocalização e redefinição de espaços funcionais existentes;
           Requalificação do espaço público existente e equipamentos, e criação de novos espaços – núcleo museológico, posto de turismo, áreas dedicadas às fontes e à água;
           Utilização da água como elemento essencial de projecto dada a sua relevância histórica na Vila de Caneças;
           Atribuição de uma lógica de desenho unificadora do espaço e que lhe confira alguma ordem por oposição à sua envolvente urbana de malha desordenada;
           Eliminação de desníveis e barreiras arquitectónicas desnecessárias;
           Reperfilamento dos arruamentos;
           Abertura de novos arruamentos;
           Reorganização dos sentidos de trânsito existentes;
           Reorganização do estacionamento existente e promoção de novos lugares;
A Freguesia de Caneças tem um potencial turístico, ligado à sua história e tradições, que se encontra pouco explorado e que é facilmente comprovado pelo património existente nesta freguesia e pelas produções artísticas que surgiram sobre a cultura saloia, nomeadamente o cinema português.
A cultura saloia, a água e as fontes são motivos de visita e justificam a necessidade da sua promoção turística.
O projecto de requalificação do espaço público de Caneças e a criação dos Jardins da Água constituem uma oportunidade para a valorização, qualificação e promoção daquele património e de temáticas a ele associadas, através de:
           Introdução de um núcleo museológico especialmente vocacionado para a cultura saloia e responsável pela organização de exposições, ciclos de cinema, documentários, encontros, poesia entre outras acções que a valorizem e promovam;
           Introdução de uma biblioteca para apoio à comunidade escolar e que reuna a informação relacionada com a freguesia;
           Requalificação do espaço público vocacionado-o para a temática da água, através dos elementos existentes – jardim, fonte dos peixes e chafariz - e da criação de novas áreas que promoverão a água e as fontes – parque infantil com equipamentos com aquela temática, muros e tanques cujo tratamento estético reinterpretará os revestimentos e decorações encontrados nas fontes e introdução de uma fonte cibernética, associada a componentes de cor e som que animem o espaço;
           Introdução de novos espaços de praça responsáveis pela promoção de locais de encontro e lazer e onde se poderão realizar eventos culturais locais e regionais inseridos em roteiros turísticos;
           Manutenção das preexistências associadas à memória cultural da freguesia – coreto, casa da cultura, elementos arbóreos, arte urbana.
 

publicado por tecnicodesign10m às 16:34
link do post | comentar | favorito

Projecto Criarte/Memória dos Espaços - Anta das Pedras Grandes

 

DESIGNAÇÃO: Anta de Pedras Grandes
LOCAL/ENDEREÇO: Rua Avelar Brotero. Implanta-se em terreno baldio coberto de vegetação e afloramentos calcários.
FREGUESIA: Caneças
PATRIMÓNIO classificado
CLASSIFICAÇÃO: Interesse Nacional
LEGISLAÇÃO: Dec. n.º 33587, DG 63 de 27 Março 1944 e Dec. n.º 37450, DG 129 de 16 Junho 1949
ZONA DE PROTECÇÃO: Sim
PROTECÇÃO:
BENS IMÓVEIS: Sítio
BENS MÓVEIS:
FUNÇÃO DE ORIGEM: Necrópole
FUNÇÃO ACTUAL: Não tem.
ENQUADRAMENTO: Edifício utilizado durante os 4º-3º milénios A.N.E como lugar de enterramento da população local.
DESCRIÇÃO GERAL E PORMENORES IMPORTANTES: Este monumento tinha uma câmara com 7 esteios coberta provavelmente por uma laje. Virada para Sudeste a entrada encontra-se marcada por um pequeno vestíbulo com dois esteios.
Actualmente apenas restam 6 dos esteios da câmara e os dois do vestíbulo. No interior da câmara foram recolhidos restos de ossadas humanas, perfazendo um número mínimo de 6 indivíduos.
CONSERVAÇÃO: Razoável
ÉPOCA: Neolítico final
SINTESE HISTÓRICA E ARQUITECTÓNICA:
ARQUITECTURA:
ESTILO ARQUITECTÓNICO: Arquitectura funerária pré-histórica
PERIGOS EVENTUAIS: Vandalismo
POTENCIALIDADES ESPECTÁCULOS: Não
OBSERVAÇÕES: Projecto de valorização e arranjo paisagístico do espaço envolvente.
BIBLIOGRAFIA: Carta Arqueológica do Município de Loures, nº 174 (policopiado) Ferreira, O.V. (1959) Inventário dos Monumentos Megalíticos dos Arredores de Lisboa. Actas e Memórias do I Congresso Nacional de Arqueologia, Lisboa, p. 218
Madeira, S. (1974) Elementos Subsidiários para a História do Concelho de Loures, Ed. Do Autor, p. 94
Oliveira, c. (1994) Projecto de Demarcação e Valorização de duas estações arqueológicas do Concelho de Loures. Actas das V Jornadas Arqueológicas (Lisboa, 1993). Associação dos Arqueólogos Portugueses, Lisboa, p. 28-30
Ribeiro, C. (1880) Notícia de Algumas Estações e Monumentos Pré-históricas, Estudos Prehistóricos em Portugal, Lisboa, p. 69
Zbyszewski, G. (1964) Carta Geológica dos Arredores de Lisboa, Notícia Explicativa da folha 2 (Loures), Serviços Geológicos de Portugal, Lisboa, p. 81.
http://www.cm-odivelas.pt/Extras/Patrimonio/detalhe.asp?id=11
 
A Anta das Pedras Grandes, classificada como Monumento Nacional pelo Decreto-Lei 33587 de 27/03/1944, ratificado pelo Decreto-Lei 37450 de 16/06/1949, está situada no Bairro do Casal Novo, freguesia de Caneças.
Em 2001, a empresa Era, Arqueologia, Lda, foi contratada para uma intervenção de diagnóstico à situação da Anta, avaliando o seu estado de conservação e o potencial científico. Do relatório então apresentado consta uma proposta de escavação e valorização patrimonial que recebeu a aprovação de princípio do Instituto Português de Arqueologia (IPA) e Instituto Português do Património Arquitectónico (IPPAR).
Em 2002-2003 a Autarquia, através do seu arqueólogo, Rui Boaventura, desenvolveu diversas acções de limpeza e tentativas de salvaguarda da Anta das Pedras Grandes, para as quais reuniu com técnicos do IPA e do IPPAR.
Finalmente a intervenção arqueológica na Anta das Pedras Grandes que decorreu essencialmente entre os dias 5 de Julho e 6 de Agosto, com a limpeza superficial da envolvente e concluiu-se a 16 de Agosto de 2004, com o aterro das áreas sondadas.
A equipa de escavação foi constituída pelo arqueólogo municipal e responsável científico, Rui Boaventura, pela arqueóloga Maia M. Langley e o bio-arqueólogo Álvaro Figueiredo. Sob a sua coordenação participaram 14 estudantes universitários de antropologia e arqueologia originários de diversas universidades estrangeiras, dos E.U.A., Austrália, Grã-Bretanha, Canadá e Roménia.
O sentido final de intervenção de conservação e restauro implicou a recolocação dos esteiros ainda existentes, na sua posição aproximadamente original, transmite ao visitante a imponência arquitectural - pelos dados recolhidos este sepulcro teria cerca de 3 metros de altura acima do terreno envolvente.
Posteriormente toda a zona escavada e envolvente será regularizada de forma a dignificar todo o espaço, nomeadamente, com a construção de uma zona verde.
A Anta das Pedras Grandes, é descrita por:
Anta de câmara poligonal formada por um esteiro de cabeceira e seis esteiros e um pequeno portal de acesso, constituído por um par de pequenos esteiros.
Terá sido utilizada como sepulcro no Neolítico médio-final, provavelmente entre meados e a 2ª metade do 4º milénio A.N.E..
Todos os esteiros, alguns de grande dimensão, são de calcário existente no local.
publicado por tecnicodesign10m às 16:14
link do post | comentar | favorito

Projecto Criarte/Memória dos Espaços - Aqueduto de Caneças

 

DESIGNAÇÃO: Aqueduto
LOCAL/ENDEREÇO: Rua Castelo de Vide, ramal das piçarras
FREGUESIA: Caneças
PATRIMÓNIO classificado
CLASSIFICAÇÃO: Interesse Nacional
LEGISLAÇÃO: Decreto-Lei n.º 5/2002 de 19 de Fevereiro
ZONA DE PROTECÇÃO: Sim
PROTECÇÃO:
BENS IMÓVEIS: Conjuntos
BENS MÓVEIS:
FUNÇÃO DE ORIGEM: Abastecimento de água
FUNÇÃO ACTUAL: Sem função
ENQUADRAMENTO: A ideia de abastecer Lisboa a partir de Caneças remonta aos romanos, sendo ainda visíveis os restos da barragem por eles construída no local onde D. João V fez nascer o aqueduto, com a sua escadaria de acesso.
DESCRIÇÃO GERAL E PORMENORES IMPORTANTES: O Decreto do Governo de 16 de Junho de 1910, publicado a 23 de Junho de 1910, na parte referento ao «Aqueduto das Águas Livres, compreendendo a Mãe de Água", em Lisboa, distrito de Lisboa, passa a ter a seguinte redacção: «Aqueduto das Águas Livres, seus aferentes e correlacionados, nas freguesias de Caneças (...)» "A conduta das Águas Livres sai da Mãe-d´Água Velha, construída na margem direita da ribeira de Carenque, e percorre 14.174 metros até entrar na Casa da Água das Amoreiras. O troço que vem do Olival Santíssímo, depois de percorrer 4,292 metros, entra na Mãe de Água Nova, erigida em frente da Mãe-d´Água Velha, na outra margem de Carenque. Deste modo, o comprimento total do aqueduto seria de 18.468 metros, mas, devido às diferenças no nível de implantação das duas mães-d´água, a junção das condutas vinda de Caneças ter transposto a ribeira por um sistema de sifão e após o chamado Salto Grande, onde o fluxo das Águas Livres perde os 5,3 metros de diferença de nível que o separam da corrente do Olival Santíssimo. Assim todo o comprimento do Aqueduto Geral é da ordem dos 18 km, mas o somatório de toda a rede é de 48 km. A juntar os cerca de 12 km das condutas distribuidoras para os diversos chafarizes, dá um total de 60 km." in expresso
"(...) D. Maria e as minas de onde se captam as águas que correm no Aqueduto" in inauguração do Correio de Caneças.
CONSERVAÇÃO: Razoável
ÉPOCA: XVIII
SINTESE HISTÓRICA E ARQUITECTÓNICA: Na segunda metade do século XVIII, D. João V mandou construir uma importante obra civil, o Aqueduto das Águas Livres, como forma de melhorar o abastecimento de água à cidade de Lisboa. Nesta freguesia de Caneças, existem dessa época quatro aquedutos subsidiários do ramal principal, o aqueduto do Olival Santíssimo, o aqueduto do Poço da Bomba, o aqueduto do Vale da Moura e o aqueduto do Carvalheiro.
A decisão definitiva quanto ao lançamento da obra foi a 12 de Maio de 1731, tendo D. João V recorrido aos engenheiros António Canevari, de origem italiana, e o coronel Manuel da Maia, este último, tinha bem consciência desta necessidade, homem habituado a levantar cartas e perfis topográficos e que viria a ser "alma mater" do projecto.
ARQUITECTURA: Civil
ESTILO ARQUITECTÓNICO:
PERIGOS EVENTUAIS: Não
POTENCIALIDADES ESPECTÁCULOS: Não
OBSERVAÇÕES:
BIBLIOGRAFIA: Carvalho, Rui de e Teixeira, Ilídio (?) artigo "A primeira obra de regime" in jornal Expresso.
Plano de Instalação e Reinstalação de Estação ( 1962), Inauguração do Correio de Caneças, Administração-Geral dos Correios, Telégrafos e Telefones do Ministério das Comunicações, Abril.
Ministério da Cultura, decreto n.º 5/2002 de 19 de Fevereiro, artigo 2.º alterações.
Vaz, Maria Máxima (2001), "Fontes e Chafarizes", in O concelho de Odivelas. Memórias de um Povo, Comissão Instaladora do Município de Odivelas, Odivelas, Novembro.
http://www.cm-odivelas.pt/Extras/Patrimonio/detalhe.asp?id=6
publicado por tecnicodesign10m às 16:12
link do post | comentar | favorito

Projecto Criarte/Memória dos Espaços - Fonte das Fontaínhas

 

DESIGNAÇÃO: Fonte das Fontaínhas

LOCAL/ENDEREÇO: Rua das Fontaínhas

FREGUESIA: Caneças

PATRIMÓNIO classificado

CLASSIFICAÇÃO: Interesse Municipal

LEGISLAÇÃO: 17ª Reunião Ordinária de 8 de Setembro de 2004 da Câmara Municipal de Odivelas

ZONA DE PROTECÇÃO: Não

PROTECÇÃO: A definição de património cultural abrange os "valores da memória, antiguidade, autenticidade, originalidade, raridade, singularidade ou exemplaridade" (Lei n.º 107/2001, art.º2º, n.º3). As fontes de Caneças constituem um conjunto coerente de uma vivência colectiva de determinada população, que subsistia, na sua maioria, com actividades ligadas à água.

Uma das finalidades de protecção do património cultural que se coaduna com esta proposta está descrita no artigo 12.º, alínea b: Verificar a identidade cultural comum da Nação Portuguesa e das comunidades regionais e locais a ela pertencentes e fortalecer a consciência da participação histórica do povo português em realidades culturais de âmbito transnacional;"

Segundo os critérios de apreciação estipulados na lei 107/2001, artigo 17.º, têm a sua aplicação os seguintes:

alínea d):"o interesse do bem como testemunho notável de vivências ou factos históricos;"

alínea f):"a concepção arquitectónica, urbanista e paisagista";

alínea g): "A extensão do bem e o que nela se reflecte do ponto de vista da memória colectiva;"

alínea i)" as circunstâncias susceptíveis de acarretarem diminuição ou perda da perenidade ou integridade do bem".

BENS IMÓVEIS: Conjuntos

BENS MÓVEIS:

FUNÇÃO DE ORIGEM: Comercialização e abastecimento de águas à região de Lisboa

FUNÇÃO ACTUAL: Sem função

ENQUADRAMENTO: O primeiro local de Caneças a fornecer água fresca e onde os aguadeiros iam encher as bilhas de barro, era uma gruta. A fonte das Fontaínhas nascida na Ribeira das Águas Livres, ficou, depois da construção do Aqueduto com o mesmo nome, reduzida a uma nascente e a uma pequena ribeira, que foi lavadouro público.

A fonte foi construída com pedras do alto de Caneças que, juntamente com a verdura natural, lhe dá um aspecto bonito e simples.

A sua construção é do ano de 1888. O início da exploração da Fonte das Fontaínhas foi em 1910.

Após a conclusão das obras de beneficiação e recuperação foram incorporados um parque de merendas, um parque infantil, instalações sanitárias e um parque de estacionamento.

DESCRIÇÃO GERAL E PORMENORES IMPORTANTES: No muro esquerdo de acesso à fonte encontram-se nove painéis azulejares (autoria de Eduarda Filó) datados de 1920/30 que se reportam às profissões da época com maior relevância em Caneças (ex. lavadeira, aguadeiro)

CONSERVAÇÃO: Razoável

ÉPOCA: Finais séc. XIX (1888)

SINTESE HISTÓRICA E ARQUITECTÓNICA: A Sociedade Farmacêutica Lusitana publicou, em 1842, um parecer sobre as águas da localidade de Caneças, nomeadamente do sítio de Val de Camarões, "as águas são límpidas, incolores, inodoras, de sabor férreo (...) são recomendadas como tónicos e reconstituintes, no tratamento de anemias, chloroses e nas convalescenças" (Jornal da Sociedade Pharmacêutica, Tomo II, p. 164). Para além destas qualidades são também bicarbonatas, sódicas, alcalinas, sulfatadas e cálcias. São benéficas para a cura de doenças da bexiga, fígado, rins, estômago e diabetes. Devido às características das águas foram criadas empresas que fizeram a sua exploração comercial durante muitos anos. Todas elas se localizam em sítios aprazíveis, embelezados ainda mais com a construção das fontes. Dependentes da exploração das águas surgiu uma outra indústria, que foi a do fabrico de bilhas de barro, que serviam para o transporte da mesma. Esta fonte encontra-se inserida no fundo de dois muros de alvenaria, no interior de um arco de volta perfeita, encimado pelo nome da fonte:"Fontaínhas" e um modesto painel de embrechados de cerâmica com a representação de uma bilha castanha sobre fundo verde.

ARQUITECTURA: Civil

ESTILO ARQUITECTÓNICO: sem estilo

PERIGOS EVENTUAIS: Não

POTENCIALIDADES ESPECTÁCULOS: Não

OBSERVAÇÕES: sem restrições à divulgação da informação

BIBLIOGRAFIA: AA.VV, Dicionário Coreográfico de Portugal Continental e Insular, vol I, pp. 534.

Loures Magazine (1992) "Lavadeiras de Caneças - Recordar uma Época".

Vaz, Maria Máxima (2001) Fontes e Chafarizes, in O Concelho de Odivelas. Memórias de um Povo, Comissão Instaladora do Município de Odivelas, Odivelas, Novembro.

Vaz, Maria Máxima (1986), Património Histórico-Artístico, in Loures. Tradição e Mudança. I Centenário da Formação do Concelho de Loures 1886-1986, vol. I, Loures.

http://www.cm-odivelas.pt/Extras/Patrimonio/detalhe.asp?id=4

publicado por tecnicodesign10m às 16:09
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 22 de Novembro de 2007

Criarte, Inovar os lugares com novos olhares

A sessão de lançamento do Concurso "Criarte, inovar os lugares com novos olhares" teve lugar quarta-feira, dia 14, na Escola Profissional Agrícola D. Dinis (Paiã), Pontinha.

O Concurso "Criarte, inovar os lugares com novos olhares" constitui a primeira iniciativa do Fórum Desenvolvimento e Cidadania Júnior (Fórum Júnior). Este projecto vai ao encontro do desafio internacional lançado pelas Nações Unidas de estabelecer, entre 2005-2015, a Década da Educação para o Desenvolvimento Sustentável.

O Concurso, subordinado ao tema "Ordenamento do Território e Ambiente Urbano: Património Natural e Cultural", destina-se a alunos do ensino secundário (10º, 11º e 12º anos) da disciplina da área de projecto.

Contribuir para o enriquecimento do projecto educativo e curricular, proporcionar uma oportunidade para os alunos conhecerem e reflectirem sobre os problemas sociais, económicos, tecnológicos, científicos, artísticos e ambientais, de forma integrada e com especial incidência na realidade municipal, constitui um dos grandes objectivos deste Concurso.

A Câmara Municipal continua a contribuir de forma solidária e efectiva para a modernização das corporações de Bombeiros do Concelho de Odivelas, visando a melhoria do serviço de auxílio e socorro prestado, bem como no aumento da celeridade e qualidade de resposta a dar às populações.

Pretende-se, ainda, estimular o exercício de cidadania, no sentido da aplicação do princípio da co-responsabilização nos processos de tomada de decisão, estimulando o desenvolvimento do espírito crítico e criativo em relação ao território do concelho, assim como reforçar o sentimento de pertença e identidade ao concelho.

O Vereador do Planeamento Estratégico, Sérgio Paiva, a Vereadora da Educação, Fernanda Franchi, e o Vereador do Ambiente, Carlos Bodião, intervieram na sessão, salientando a importância deste concurso para a comunidade escolar e para o concelho.

publicado por tecnicodesign10m às 00:42
link do post | comentar | favorito

Cidades criativas

Integrada no Concurso Nacional de Ideias "Cidades Criativas", decorreu no final da passada semana, dia 16, a segunda sessão de esclarecimento, realizada no edifício CAELO.

Presente na sessão, a Presidente da Câmara reforçou a importância, para a autarquia, desta iniciativa nacional, uma vez que visa "despertar nos jovens do concelho o interesse quanto aos factores identificadores e que diferenciam Odivelas, as potencialidades que este concelho tem, e quais as áreas merecedoras, no seu entendimento, de aposta futura". Susana Amador referiu que o trabalho que será apresentado pelos alunos do ensino secundário do concelho "serão encarados e acolhidos com todo o interesse pela autarquia, pois este trabalho, além da componente participativa do concurso nacional, tem, para a Câmara Municipal, outra dimensão: a do contributo e participação dos jovens no desenvolvimento deste concelho."

Nesta semana realiza-se a Semana Aberta das Cidades Criativas, no âmbito da Semana Aberta da Ciência e Tecnologia da Universidade de Aveiro.

Esta iniciativa, de âmbito nacional, conta já com a inscrição de cerca de 250 equipas de todo o País. Envolve, ainda, cerca de 1.000 alunos, que representam mais de 90 cidades e vilas, de todas as regiões educativas do continente e ilhas.

publicado por tecnicodesign10m às 00:38
link do post | comentar | favorito

A Casa da Juventude de Odivelas

A Casa da Juventude, situada na zona nobre do concelho, junto aos Paços do Concelho, abriu as portas, no dia 18.

Este espaço conta com uma sala polivalente, uma sala de estudo, uma sala de informática, uma sala de apoio psicológico e uma sala de formação. Na Casa da Juventude, os jovens com idades compreendidas entre os 13 e os 35 anos podem estudar, assistir a debates, ver exposições, participar em workshops e ateliers, adquirir o cartão-jovem ou de alberguista, reservar pousadas de juventude e obter informações sobre as mais diversas áreas.

Este edifício é o primeiro, no concelho, a estar interligado através de tecnologia wireless, que permitirá a conexão entre diferentes pontos sem necessidades da utilização de cabos.

Aconselhamento, apoio psicológico, orientação vocacional, questões ligadas ao emprego, habitação, associativismo juvenil e voluntariado, entre outros também têm o seu "espaço" na Casa da Juventude.

O equipamento também conta com uma zona para informar e divulgar projectos dinâmicos e inovadores, das mais diversas áreas artísticas, nomeadamente pintura, música, fotografia, dança, teatro, cinema, escultura, desenho, poesia.

Em dia de festa, o espaço contou com um momento música por um jovem munícipe e aluno do Conservatório, Tiago Rodrigues, bem como com duas caras conhecidas da série televisiva "Morangos com Açúcar".

Para Susana Amador "este espaço é o culminar de um projecto arrojado". A Presidente da Câmara, que inaugurou o equipamento, destacou que a Casa da Juventude "constitui hoje a resposta há muito aguardada pelos jovens de Odivelas, que não tinham um espaço que pudessem chamar de seu".

De referir que a abertura da Casa da Juventude traduziu-se na recuperação de um edifício histórico que estava em avançado estado de degradação. A abertura deste equipamento foi acompanhada da requalificação urbana do espaço envolvente, recebendo, desse modo, um dos monumentos mais emblemáticos do concelho, o Cruzeiro, a dignidade e destaque que o monumento merece. A requalificação passou também pela libertação do espaço para as pessoas, terminando a circulação viária ali existente, surgindo uma área pedonal.

publicado por tecnicodesign10m às 00:30
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 26 de Outubro de 2007

Visita de estudo à Exposição Os Gregos. Tesouros do Museu Benaki, Atenas

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A grande matriz da Cultura da Europa é grega, presença que terá hoje maior evidência material através da Filosofia, da Mitologia, do Teatro e da Arte, objectos da atenção e de estudos contemporâneos e de constante curiosidade dos povos a Ocidente e a Oriente ao longo de mais de dois milénios.

«Os Gregos», que nos é permitido conhecer melhor através desta exposição, são convocados por objectos que reflectem o seu pensamento e acção, num tempo que vem do Neolítico, representado por cerâmicas do 6.o milénio, e que se desenvolve até à reunião deste povo como País num Estado Helénico em 1830.

Trata-se de um conjunto altamente representativo da sua riquíssima história, cedido pelo Museu Benaki, de Atenas, através de uma criteriosa e muito generosa selecção de peças das suas colecções.

publicado por tecnicodesign10m às 08:05
link do post | comentar | favorito

Visita de Estudo ao Museu de Etnologia - Lisboa

 

 

 

 

 

 

 

 

Criado em 1965, o Museu Nacional de Etnologia acolhe, de acordo com o seu âmbito universalista, colecções de variados países.
De entre elas destacam-se as que resultaram de sucessivas campanhas de recolha efectuadas em Portugal, contemplando a alfaia agrícola e demais instrumentos de trabalho e séries de objectos ligados à vida rural portuguesa.
Do seu vasto acervo destacam-se ainda as colecções africanas, representativas de povos e culturas de Angola, Moçambique, Cabo-Verde, Guiné-Bissau, Mali, Costa do Marfim, Gana, Nigéria e Camarões; e importantes colecções representativas dos Índios da Amazónia, Indonésia, Timor e Macau.


publicado por tecnicodesign10m às 07:55
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 18 de Outubro de 2007

Arquitectura e Humanismo

A qualidade do ambiente tem vindo a ser destruída no mundo inteiro e também em Portugal. O equilíbrio entre a cidade e o campo, as relações de harmonia entre paisagens naturais e a arquitectura dos espaços urbanos já começam a ser, em muitos sítios, uma recordação de tempos passados. No entanto, no nosso país ainda existem locais – santuários, praças públicas ou simples terreiros em aldeias humildes – que testemunham o sentido da arquitectura e que são fontes de inspiração para as gerações seguintes. A arquitectura tem, portanto, o poder de evocar o sentido do tempo, do lugar e das pessoas – pessoas sem as quais nada teria sentido. Pode dizer-se que o homem traduz na arquitectura e que esta, por sua vez, se traduz em valores humanos. Mas de que humanismo se trata? E será que se pode concluir que o liberalismo é o grande responsável do mais recente humanismo?
No processo de transformação urbana que estamos a viver, o arquitecto está a ser utilizado em função de interesses essencialmente comerciais e especulativos – fora da sua vocação e aptidão ética. É natural que, nesta situação, o arquitecto se interrogue sobre a forma como deve actuar e sobre qual deve ser o seu papel no seu país. Vivemos numa época de cepticismo, face às ameaças que se colocam no horizonte: onde estão os novos ideais e as utopias que alimentam o sonho do homem?
Quanto a nós, mesmo sendo o arquitecto um demiurgo, a sua actividade nunca poderá deixar de ser uma arte social – sob pena de nada ser… Para o bem e para o mal, o arquitecto nunca poderá de deixar de viver, no terreno, todas as contradições resultantes do confronto entre vários interesses. Cabe ao arquitecto captar o espírito de cada lugar e, embora com outras funções ou diferentes materiais, manter intacto o seu encantamento – de fórmula química desconhecida –, estimulando a troca de experiências entre pessoas, a convivência e a solidariedade…
Pensamos que a arquitectura é uma forma universal de ordenar o mundo que nos rodeia, para a qual contribuíram, através dos tempos artistas, artesãos, cientistas, os quais – em conjunto com a população anónima – construíram obras por todo o mundo. Assim, a função principal da arquitectura e dar significado ao ambiente construído e, simultaneamente, responder às necessidades físicas e psicológicas do homem, no seu habitat. É fundamental perceber que as obras construídas são testemunhos vivos das convicções investidas pelo homem, consciente ou inconscientemente, e representam o seu «humanismo».
 
Vasco Croft – “Arquitectura e Humanismo”
publicado por tecnicodesign10m às 09:19
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 16 de Outubro de 2007

Requalificação do espaço público de Caneças - Jardins da Água

O projecto de requalificação do espaço público de Caneças tem como objectivos a requalificação do espaço público de centralidade da vila de Caneças, a melhoria da mobilidade pedonal e viária, a regulação do estacionamento, a redefinição de áreas funcionais e a requalificação da imagem urbana.

Este projecto constitui-se como estruturante no território e uma oportunidade para valorizar, qualificar e potenciar a oferta turística, através da sua inserção em roteiros associados a temáticas histórico-culturais (vestígios muçulmanos, património classificado), ambientais, de lazer, gastronómicas, entre outras, contribuindo igualmente para a valorização e divulgação do património cultural, móvel e imóvel inserido naqueles roteiros.

O projecto de requalificação pretende atingir aqueles objectivos e "homenagear" o património cultural da freguesia - as fontes e a água - através da sua reinterpretação e materialização na proposta apresentada.

Projecto com características estratégicas ao nível da recuperação do património, da valorização do ambiente urbano e da dinamização da oferta cultural e turística.

Câmara Municipal de Odivelas


http://www.cm-odivelas.pt/CamaraMunicipal/ServicosEquipamentos/PlaneamentoEstrategico/jardins_agua.htm


publicado por tecnicodesign10m às 10:54
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 11 de Outubro de 2007

Criação

Criar não tem nada a ver com a arte de escrever ou ilustrar bem, mas sim com a arte de pensar.

Interact, Comunicação Interactiva, Lda
 
publicado por tecnicodesign10m às 18:21
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 9 de Outubro de 2007

Conceitos

Fantasia é tudo o que antes não existia, ainda que irrealizável.


Invenção é tudo o que anteriormente não existia, mas que era exclusivamente prático e sem problemas estéticos.


Criatividade é tudo o que antes não existia, mas era realizável de maneira essencial e global.


A fantasia, a invenção e a criatividade pensam, a imaginação vê.


Bruno Munari 

publicado por tecnicodesign10m às 22:39
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 8 de Outubro de 2007

Constituição da turma

Adriana


Anderson Pedro


André

Bruno Magalhães

Bruno Bernardo

Daniel

DéboraCarina

Emanuel José

Filipe Daniel

Hélder Filipe

Jorge Manuel

Leiny Soraia

Marco

Marta Sofia

Micael

Pedro Jorge

Rui Filipe

Sandra Cláudia


Sónia Andreia

Valter José

Vanderley

Hamilton

Óscar Manuel

publicado por tecnicodesign10m às 16:13
link do post | comentar | favorito

Em construção

Bem vindos ao nosso blog mas informamos que estamos na fase de construção. Obrigado

publicado por tecnicodesign10m às 15:52
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 2 seguidores

.Dezembro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Projecto Criarte / Memóri...

. Projecto Criarte / Memóri...

. Projecto Criarte/Memória ...

. Projecto Criarte/Memória ...

. Projecto Criarte/Memória ...

. Criarte, Inovar os lugare...

. Cidades criativas

. A Casa da Juventude de Od...

. Visita de estudo à Exposi...

. Visita de Estudo ao Museu...

. Arquitectura e Humanismo

. Requalificação do espaço ...

. Criação

. Conceitos

. Constituição da turma

. Em construção

.links

.pesquisar

.arquivos

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

.tags

. todas as tags